Business

Digital Business: De onde viemos e para onde vamos com a revolução tecnológica?

Por: , julho 17, 2014

Segundo o Gartner, Digital Business é a criação de projetos para novos negócios, interligando os mundos digital e o físico. É o marco da convergência entre pessoas, empresas e coisas, que rompe os modelos de negócios existentes. Hoje temos mais de sete bilhões de pessoas e empresas, e pelo menos 35 bilhões de dispositivos móveis, se comunicando e realizando transações digitais. Isso é um novo mundo – o mundo dos negócios digitais.
Uma pesquisa do Gartner analisa o que está impulsionando essa convergência e como os líderes de TI podem tomar o seu lugar entre os líderes digitais do futuro. Uma poderosa convergência de forças (Nexus das Forças) – social, mobilidade, bigdata e nuvem, está alterando rapidamente o modo como os negócios se concretizam, agora e no futuro. CIOs, executivos de negócios e fornecedores de tecnologia devem, prioritariamente, entender e aproveitar as tecnologias digitais e desenvolver-se em busca da liderança de suas empresas neste novo ambiente.
Negócio Digital está reformulando indústrias, redefinindo o papel da TI, criando novas vantagens competitivas e empresariais. Esse novo modelo faz com que tecnologia deixe de ser um aspecto para se tornar “o negócio”. Hoje, os negócios usam a tecnologia para montar um modelo de negócio diferenciado. Um exemplo é a Amazon, uma empresa de tecnologia onde o software é o próprio negócio, ou seja, o modelo estratégico é baseado no conceito de negócios digitais.
O conceito tem impacto expressivo em áreas e atividades, tais como:

  • Marketing Digital, Internet das Coisas, impressão 3D: onde o crescimento das capacidades digitais estão baseadas no marketing digital, na Internet das Coisas e impressão 3D. Os líderes que atuam diretamente com cadeia de fornecimento devem se preparar para os impactos nas transformações de produtos, atendimento ao cliente e remodelamento da cadeia.
  • Operações e Manufatura: impacta no ritmo acelerado dos negócios e da tecnologia que estão acontecendo hoje, cria uma oportunidade para redefinir as estratégias de fabricação e produção.
  • Cadeias de Suprimentos: mostra que as indústrias estão percebendo o papel central da visibilidade da cadeia de suprimentos na condução de valor para o cliente por meio da digitalização das suas redes globais.

E por que essas coisas estão acontecendo?
Basicamente, a resposta é: “as coisas mudam no mundo e isso gera oportunidades”. O artigo de Marc Andressen “Why software is eating the world”, evidencia bem essas mudanças do mundo que levam a uma nova fase. Podemos pensar ao longo da história como essas coisas ocorreram e como as oportunidades de negócios baseada em tecnologia foram surgindo e se adaptando.

1a. onda

Na década de 80 e 90, vivemos a Era da Automação. A fase é caracterizada por:

    • Software auxilia as pessoas e processos.
    • Pessoas gerenciam e operam os sistemas.
    • Pessoas no atendimento ao cliente.

No final dos anos 90 tivemos um marco da finalização desse período. Ocorreu o que chamamos de “Choque da Web”, onde as pessoas passam a ter mais facilidade de acesso a internet para obterem informações sobre coisas, empresas e produtos. Nesse momento, passamos para uma nova adaptação relacionada a forma como as pessoas passam a interagir com o mercado. As pessoas passam a usar a internet para acessar serviços. Dá-se o início de uma nova era.

2a. onda

Na entrada do novo milênio inicia-se a Era do E-Business. As empresas colocam uma espécie de “casca” de internet aos negócios tradicionais e a web passa a ser uma interface dos serviços oferecidos ao mercado. As características do período são:

    • Pessoas passam a ser criadoras do sistema.
    • Internet torna-se uma grande ferramenta de interface com o cliente.

O próximo é um período de mudanças profundas, quando os clientes estão always on, e as empresas estão, literalmente, no bolso do cliente. Existe o deslocamento do poder para os compradores, que passam a ter muitas informações e com isso conseguem gerar uma pressão no mercado; clientes tomam decisões com muito mais facilidade. A consequencia é que as estratégias das empresas deixam de ser suficientes para competição, o poder de transformação em negócios e empresas deixam de existir. Esse fenômeno chama-se “Choque dos Nexus” e é o começo da terceira fase da revolução da tecnologia nos negócios.

3a. onda

Estamos entrando nessa nova fase de mudança de paradigmas, essa é a fase dos Negócios Digitais. A tecnologia passa a ser base e faz parte da estratégia das empresas. Como características passamos ter:

    • Mobile passa a ser a interface.
    • O software substitui as pessoas.
    • Temos termos como big data, IoT – Internet das Coisas e outros como fatores decisores das estratégias, ou seja, software passa a tomar decisões substituindo decisões humanas.
    • Cliente no centro da estratégia, aumento da importância do conceito de User Experience (UX).

Estamos no tempo de engajar clientes aos negócios através da tecnologia. Isso muda o negócio, muda o modelo de negócio das empresas. A tecnologia passa a ser fundamental. E por isso, o entendimento do conceito de Negócios Digitais é essencial para ter sucesso agora.

O Gartner diz em seu highlight Taming the Digital Dragon: “Na indústria de TI, nos tornamos imunes a novas buzzwords e mensagens constantes sobre como tudo está mudando. Mas, desta vez, é real. Todas as indústrias em todo o mundo estão sofrendo impactos digitais radicais – estamos aprendendo a domar um “dragão digital”, potencialmente poderoso. Como resultado, os CIOs estão enfrentando todos os desafios, além de uma enxurrada de oportunidades digitais e ameaças que estão acontecendo ao mesmo tempo. Em todas as empresas, estão sendo levantadas questões críticas sobre estratégias de digitalização, liderança, estrutura, pessoas, e mais um monte de outras coisas – e os líderes não têm outra opção além de encontrar as respostas.” E completa: Algo fundamental está acontecendo. Estamos nos movendo para o novo, a Terceira Era da TI corporativa.”

  • Receba nosso conteúdo em primeira mão.