Design

Prototipação e sua importância no desenvolvimento de software

Por: , novembro 5, 2013

A prototipação é uma etapa importantíssima no desenvolvimento de software. A sua execução influencia diretamente a produtividade da equipe e os valores entregues ao cliente. Mas para que ela dê certo, é fundamental que os profissionais saibam quais são os tipos de prototipação existentes.
Conhecendo como esse processo pode ser executado, ficará mais fácil para a equipe avaliar a melhor forma de abordar a rotina e as ferramentas mais alinhadas com o perfil do projeto. Assim, a empresa evitará riscos e conseguirá garantir a entrega de um software que atenda às demandas do usuário.
Quer saber mais sobre o tema? Então veja abaixo como escolher os tipos de prototipação mais adequados aos seus projetos!

O que é a prototipação de software?

A prototipação é um processo que tem como objetivo facilitar o entendimento dos requisitos de uma aplicação. Além disso, ela permite apresentar conceitos e funcionalidades do software de modo simplificado.
Com a prototipação, é possível propor uma solução adequada para o problema do cliente, aumentando sua percepção de valor. O usuário poderá avaliar como os recursos estarão distribuídos, a organização do layout e outros itens que impactam na experiência de uso.
A partir do protótipo, ajustes poderão ser feitos no projeto para adequar às expectativas e alinhar aos objetivos. Dessa forma, a qualidade final da ferramenta é otimizada.
Os protótipos também são grandes aliados das metodologias ágeis de desenvolvimento, uma vez que garantem maior alinhamento entre a equipe e o cliente. Eles podem ser desenvolvidos em diferentes níveis de fidelidade, mas o ideal é que tenha o máximo de correspondência com o produto final. Afinal de contas, quanto mais fiel o protótipo for, mais fácil será para o time realizar ajustes.
Há um porém: um protótipo de alta fidelidade leva mais tempo para ser criado ou modificado. Por isso, o gestor deve estar atento e, com bases nos dados iniciais, realizar uma escolha inteligente. Em outras palavras, a escolha do protótipo ideal varia de acordo com o nível de entendimento do negócio, a complexidade dos requisitos, prazo e orçamento para elaboração.

Quais são os tipos de prototipação?

A prototipação pode ser feita de diferentes maneiras. Porém, algumas estratégias são mais tradicionais no mercado, seja pela sua flexibilidade ou capacidade de demonstrar recursos de modo inteligente.
Podemos dividir os tipos de prototipagem em três categorias:

Wireframes & Rascunhos

Este é um tipo de prototipagem com baixo nível de fidelidade, mas que pode ser criado ou modificado com rapidez. Os wireframes não mostrarão detalhes visuais ou interações de tela, mas ajudarão a validar requisitos e regras de negócio de maneira eficiente.
Em geral, a criação de wireframes é indicada para representar cenários complexos nos quais um fluxo ou processo precisa ser compreendido. Assim, o cliente pode definir recursos de modo rápido e realizar modificações sem grandes dificuldades.



Entre as ferramentas mais comuns para esse tipo de prototipagem, estão:

Protótipos visuais

Criados com programas de edição gráfica, estes protótipos têm maior apelo visual. Entretanto, não possuem interações de tela e demandam mais tempo para a realização de ajustes e melhorias.
Os protótipos visuais são uma ótima opção para telas com maior ênfase em estética e usabilidade, quando os requisitos já foram entendidos. O cliente conseguirá identificar com fidelidade o modo como o layout será estruturado, a linguagem visual e outros fatores que farão parte da interface. Porém, não será possível avaliar o modo como as interações de tela serão desenvolvidas e executadas.
Para esse tipo de prototipagem, normalmente se usa:

  • o Adobe Photoshop, uma aplicação paga que é uma das mais poderosas para a edição de imagens do mercado;
  • o GIMP, um software de código aberto flexível e de fácil uso.

Protótipos interativos

Os protótipos interativos são completos e representativos. Além da parte visual, esse tipo engloba uma série de detalhes de estética e efeitos de interação, proporcionando uma experiência rica e realista.
Um protótipo interativo também ajuda a equipe a identificar novos requisitos, oportunidades e futuros problemas. As consequências disso para o software são lucros maiores a longo prazo e riscos menores durante o desenvolvimento.
Em contrapartida, protótipos interativos requerem uma equipe de maior conhecimento técnico e demoram mais para serem criados. Para reproduzir todos os detalhes da aplicação, será necessário criar uma estrutura mais complexa, o que demanda recursos mais avançados.
Para a criação de protótipos interativos, normalmente são adotadas estratégias como:

  • o uso de HTML, CSS, Javascript: essa estratégia simples permite que a ferramenta seja testada em um navegador com uma apresentação semelhante à de um software pronto;
  • o uso do CSS Twitter Bootstrap: esse é um framework CSS que pode acelerar bastante o processo de prototipação;
  • o uso do Adobe Dreamweaver: um software que permite fazer protótipos interativos mais simplistas, sem exigir tanto conhecimento técnico.

Como escolher o tipo de prototipação adequado com o seu projeto?

Para identificar quais os tipos de prototipação mais adequados aos seus projetos, há uma série de decisões que podem ser tomadas pelos gestores. Elas auxiliam a equipe a realizar um protótipo com menos riscos e capaz de entregar um resultado mais alinhado com as demandas do cliente. Veja abaixo alguns pontos básicos para definir qual o protótipo mais adequado às suas necessidades!

Identifique o perfil da equipe e da infraestrutura

É importante conhecer como a equipe está estruturada, do perfil técnico de cada profissional de TI às soluções disponíveis para criar o protótipo. Assim, fica fácil avaliar qual ferramenta estará disponíveis para que os profissionais criem um bom protótipo, com agilidade e qualidade. Em outras palavras, essa avaliação evita a escolha de um tipo de protótipo que demandará investimento em novas ferramentas ou treinamento da equipe.

Avalie qual o tipo de interface que será prototipada

Avaliando o tipo de ferramenta e interface que será prototipada, você conseguirá escolher um modelo com melhor custo-benefício. Em alguns casos, por exemplo, uma visualização simplificada será o bastante para o time. Consequentemente, a identificação desse fator permite que o protótipo demonstrado para o cliente tenha mais chances de gerar insights inteligentes e capazes de alinhar as expectativas dos que estão envolvidos no projeto.

Conheça o nível de fidelidade necessário para a etapa do projeto

Cada tipo de prototipagem entrega uma visualização com um nível de fidelidade. Apesar de algumas serem mais completas, nem sempre há a necessidade de exibir todas as características básicas do sistema nos mínimos detalhes. Portanto, atente a esse ponto.

Saiba com quem o protótipo será compartilhado

Dependendo das pessoas que forem trabalhar com o protótipo, alguns tipos não são necessários. Portanto, saiba quais serão as pessoas que trabalharão com o modelo naquele momento e defina uma abordagem apta a gerar um melhor aproveitamento dos dados disponíveis naquele instante do projeto.

Por que a prototipação é importante?

O processo de prototipação ajuda a entender o propósito do software que será desenvolvido. Quando ele é bem executado, fica mais fácil compreender o conceito do planejamento, avaliar a viabilidade das decisões tomadas e realizar ajustes.
Assim, as chances de o resultado final estar dentro das expectativas do cliente serão muito maiores. Pequenas melhorias e ajustes serão feitos logo no começo da criação do sistema, evitando que o time gaste recursos com uma ferramenta que não atenderá às duas demandas. Dessa forma, prejuízos são reduzidos e o lucro é maximizado.
Entre os principais benefícios de prototipar, podemos apontar:

  • a possibilidade de reduzir riscos no desenvolvimento do sistema ao definir objetivos com precisão;
  • a facilidade de visualizar o modo como a solução será utilizada pelo usuário, permitindo um planejamento mais eficaz de cada recurso;
  • a criação de um fluxo constante de feedbacks entre a empresa e o seu cliente, melhorando a relação entre toda a equipe;
  • a otimização do investimento na criação da ferramenta com a eliminação de erros;
  • a maior agilidade na entrega de resultados por meio de um planejamento melhor estruturado.

Por fim, vale ressaltar que a criação de um sistema é um processo complexo. Em meio a várias etapas, portanto, é fácil que erros sejam cometidos e que o produto final precise de ajustes para atingir os objetivos esperados pelo cliente.
Para se prevenir de falhas e garantir que todos estejam alinhados, uma série de abordagens são utilizadas. Há quem opte por feedbacks e reuniões constantes. A comunicação, nesse sentido, permite um trabalho contínuo para evitar que as funcionalidades não sejam projetadas corretamente.
A prototipação, nesse cenário, é importante por ser um meio rápido e bastante eficiente de validar uma ideia. As abordagens e conceitos empregados na criação do sistema serão visualizados junto com outros fatores que impactam diretamente na experiência do uso, evitando riscos.
Para garantir mais eficiência, porém, o tipo de protótipo deve ser pensado com cautela. É necessário avaliar cada necessidade e o perfil do usuário de forma a identificar o que de melhor essa técnica pode oferecer.
Em outras palavras, após identificar quais são os tipos de prototipação que melhor correspondem às suas demandas, se mantenha sempre alinhado com a equipe de desenvolvimento. Afinal de contas, um simples detalhe prototipado incorretamente pode gerar um trabalho complexo, acarretando custos inesperados e atrasos.
Gostou dessa dica e quer saber mais sobre estratégias para otimizar os seus sistemas? Então fale conosco, teremos prazer em atender você!

  • Receba nosso conteúdo em primeira mão.