6 erros de um Design Sprint

Olá, sou o Thiago Padilha, UX Designer na Dextra e um dos fundadores do 1Monta.com.br. Trouxe aqui alguns percalços...

Data de publicação: 12/07/2019
Mulher com expressão de dúvida

Olá, sou o Thiago Padilha, UX Designer na Dextra e um dos fundadores do 1Monta.com.br. Trouxe aqui alguns percalços que enfrentei aplicando a metodologia de Design Sprint, para que você não seja pego de surpresa e saiba como proceder ou até mesmo o que evitar.

Contextualizando quem não conhece a metodologia, o Design Sprint é um processo de design, baseada em técnicas de UX e Design Thinking, em um formato de imersão para validar ideias e resolver grandes desafios em até 5 dias.

Vamos então ao que interessa, bora ver os 6 maiores erros de um Design Sprint.

Navio quebra gelo em meio à  blocos de gelo.

Não fazer dinâmicas de quebra-gelo

As dinâmicas de quebra-gelo são umas daquelas coisas que não “estão nos livros”, mas que fazem uma diferença absurda na hora do Design Sprint.

Elas não só unificam o time, trazendo um sentimento de cumplicidade, como também coloca todos no mindset criativo. Além disso, deixa o time mais confortáveis e relaxados.

E quem mais precisa estar confortável e relaxado para o bom andamento de um Design Sprint? Isso mesmo, o Facilitador! Ele que passou dias planejando e se preparando para rodar as dinâmicas, precisa se sentir à vontade. Por isso dinâmicas de quebra-gelo são uma ótima pedida para iniciar.

 

Foto dos pés de uma pessoa mostrando que ela está usando sapatos que não combinam e de cores diferentes em cada pé

Não planejar o Design Sprint.

Quando você não planeja, muita coisa passa desapercebida e nada parece se encaixar. Isso não quer dizer que em um Design Sprint minuciosamente planejado, não haverá imprevistos, mas é sempre bom tentar evitar surpresas indesejadas.

A agenda não bate com o tempo que você precisa. A dinâmica “X” não acontece na ordem que você necessita (principalmente as que dependem de agendamento com especialistas, stakeholders ou usuários). Os preparativos e infra estrutura não são o que você espera. Enfim sua tranquilidade e saúde mental vão para espaço.

Sempre procure planejar e se antecipar aos acontecimentos e possíveis problemas, isso faz toda a diferença em um Design Sprint tranquilo e eficiente.

rua interditada com vários sinais de não vire, caminho errado, rua fechada, etc...

Definir objetivo, perguntas etc… antes de conversar com especialistas

Tudo que você definir sem falar com especialistas e stakeholders, corre um sério risco de estar num caminho que não trará soluções para o problema. A própria definição do problema do Design Sprint corre o risco de não corresponder a um problema relevante

Uma boa dica é iniciar o Design Sprint com a conversa com especialistas antes de todas as definições. Essa mudança foi proposta pela metodologia da AJ&Smart e reconhecida pela própria Google como uma melhor prática.

Isso evitará o vai e volta e revisões no objetivo, desafios e nas perguntas, tornando-os mais assertivos e objetivos.

 

Paisagem desfocada de uma cidade a noite ao fundo e um óculos a frente mostrando a imagem da cidade nítida em suas lentes.

Não manter o foco do time

Não ter o foco nem o comprometimento do time atrapalha bastante o andamento do Design Sprint, tornando as interrupções, dispersões e repetições das instruções das dinâmicas constantes tirando a fluidez do trabalho.

É super importante explicar essas questões ao time e ser bastante insistente nas restrições de devices, principalmente notebooks, pois os membros do time em algum momento tentarão dividir sua atenção com suas responsabilidades do dia à dia e o Design Sprint.

Uma estratégias e mante-los sempre ocupados, participando de todas as atividades, se mantendo ativos e focados.

A mão de uma pessoa emergindo da água enquanto segura uma vela faiscante.

Permitir ideias fora da hora

Como disse anteriormente o Design Sprint tem uma série de dinâmicas que visam mapear, idear, criar e validar uma solução. Ideias que surgem depois da etapa de ideação costumam ser perigosas, pois não passaram por todo o crivo para serem escolhidas para as próximas etapas.

Para nos auxiliar nessa tratativa, podemos usar o “estacionamento de ideias”. Assim, a qualquer momento, ideias fora de hora podem ser anotadas para não serem perdidas.

O Design Sprint em si costuma aflorar a criatividade das pessoas e, é normal termos insights a todo momento, inclusive ideias rápidas de serem desenvolvidas. Assim, usando o “estacionamento de ideias”, o time poderá guardá-las para que num segundo momento possam dar continuidade a sua implementação.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Direcionar o time em alguma direção

O facilitador está no Design Sprint para guiar o time no processo à fim de conseguirem chegar em uma solução para o problema e não deve se intrometer ou direcioná-los.

Porém como profissional de UX temos bastante conhecimento sobre experiência do usuário, peça chave na última etapa de validação da solução criada. Então mesmo não sendo especialistas na área de atuação da equipe, podemos contribuir com alguns “conselhos” aqui e acolá. Não estou falando de decisões de negócio e sim, no que diz respeito a experiência do usuário.

Mas Thiago, você listou isso aqui como algo a não se fazer, e depois fala pra fazermos? Pois é, mas com muita sabedoria (com grandes poderes vem grandes responsabilidades =P).

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Bônus

  • Não estenda a explicação de dinâmicas que virão a seguir, isso desfoca o time.
  • Não distribua folhas grandes (A4, A3), faça com que o time se acostume a tomar notas individuais, em post-its, sempre com o mindset de notas de CNP (Como Nós Poderíamos) para evitar perder algum insight e facilitar na hora de clusterizar as anotações.
  • O teste deve ser estritamente fechado a usuários reais da solução. O resultado dos testes determina o sucesso ou não da solução, e serve inclusive como argumentação para apresentar a solução às lideranças.
  • Então espere ter todo o Design Sprint concluído para apresentar aos lideres ;).

É isso, espero que essas “erros” não te peguem de surpresa. E se tiverem algum percalço que queiram compartilhar, não deixem de comentar, ou até mesmo me contatar para trocarmos figurinhas =D.

Abração,

Thiago Padilha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =

Posts relacionados

  1. Sobre a Dextra

    Somos especialistas em desenvolvimento de software sob medida para negócios digitais. Pioneiros na adoção de metodologias de gestão ágil, combinamos processos de design, UX, novas tecnologias e visão de negócio, desenvolvendo soluções que criam oportunidades para nossos clientes.

  2. Categorias

Scroll to top