Cultura Digital, engajamento e globalização do varejo

Cultura Digital, engajamento e globalização do varejo: como a TI ajuda o varejo à se adaptar a digitalização, reinventando...

Data de publicação: 13/09/2017

Cultura Digital, engajamento e globalização do varejo: como a TI ajuda o varejo à se adaptar a digitalização, reinventando os processos e mantendo os negócios relevantes e lucrativos?
Muito tem se discutido sobre a globalização do varejo brasileiro e de seu impacto no mercado brasileiro. Marcus Wittmann, do Buscapé, André Petenussi, da Netshoes, Luis Dosso, da Dextra e Ricardo Pastore, da ESPM, discutiram essa questão num painel do evento TI&Varejo.
A discussão foi iniciada com uma análise do varejo brasileiro e as tendências do varejo em outros países mais maduros e como trazer essas tendências para o Brasil. Um ponto de atenção é com relação ao estudo e análise do perfil do consumidor brasileiro. A relação experiência versus fidelização funciona de maneira diferente aqui. No Brasil, os consumidores não gostam de serem bombardeados com ações de marketing com o um único objetivo de criar um vínculo próximo. Não nos tornamos fiel a uma marca apenas com ações promocionais ou descontos, por exemplo. A expectativa do público brasileiro é primeiro viver uma experiência única e diferenciada no momento da compra ou na solução de um problema, para depois se tornar fiel a uma marca.
O conhecimento da cultura brasileira e de nossos hábitos é uma vantagem que deve ser explorada pelos varejistas nacionais e é uma barreira de entrada aos concorrentes externos. Por outro lado, nem toda inovação bem sucedida em mercados americanos e europeus serão bem recebidas pelos consumidores locais.
Os painelistas acreditam que o padrão de consumo vem se alterando. Usar a tecnologia como meio para ação de compra é um caminho sem volta. Assim como ter a loja no bolso do consumidor é uma realidade. Nessa jornada, a experiência do usuário torna-se crucial para entender-se mais profundamente o momento do consumidor.
Outro ponto discutido, é que existem muitos perfis de consumidores, mesmo entre os consumidores digitais nativos. Podemos descobrir e entender esses perfis através de ferramentas de analytics para falar com cada um deles, entender suas necessidades e oferecer uma experiência de compra surpreendente.
 
O aspecto globalização no varejo e seus impactos
Já passamos do ponto de discutir se a globalização é boa ou ruim. É fato que ela veio para ficar e devemos aproveitar as oportunidades. O acesso fácil à informação, uma das característica da globalização, cria um novo patamar de experiência de compra. Mercados que antes eram cativos para as empresas locais, agora estão disponíveis para o mundo.
Para Luis Dosso, co-founder da Dextra, “a globalização não está somente em olhar modelos lá de fora e trazer para cá, a globalização está também na competição pelos consumidores. O consumidor brasileiro hoje é global”. Empresas estrangeiras (chinesas e americanas, principalmente) competem com o orçamento do brasileiro que compra por e-commerce.
Como provação, aqui deveria valer a simetria, se nossos consumidores compram de sites chineses, porque os chineses não poderiam comprar de nossos varejistas online?
 
Além da tecnologia, a transformação digital: a importância da cultura digital
Nesse movimento fica claro que ter um DNA de varejo online ou offline faz muita diferença para absorver a transformação digital. Empresas que nasceram no e-commerce tem muito mais proximidade da cultura ágil e lean para a inovação e criação de produtos digitais, além de uma cultura interna orientada à inovação. O varejo digital pede essa agilidade, experimentar e testar coisas rapidamente, medir feedbacks e colher dados para gerar inovação e diferenciação.
Na outra ponta, redes tradicionais que cresceram offline tem que passar por uma mudança de cultura mais ampla antes de adentrar mais profundamente na mudança digital. Se isso não ocorrer, a força que a transformação digital pode trazer não será efetiva.
É necessário, então, a mudança do mindset: mudanças estruturais na organização, hierarquia e processos, capacidades das equipes serão essenciais para digitalizar o negócio.
Assista o vídeo completo sobre essa discussão e entenda como a TI ajuda o varejo brasileiro a se adaptar ao digital, mantendo relevância e lucratividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =

Posts relacionados

  1. Sobre a Dextra

    Somos especialistas em desenvolvimento de software sob medida para negócios digitais. Pioneiros na adoção de metodologias de gestão ágil, combinamos processos de design, UX, novas tecnologias e visão de negócio, desenvolvendo soluções que criam oportunidades para nossos clientes.

  2. Categorias

Scroll to top