Visitando CES Las Vegas 2018

Na semana passada estive na CES Las Vegas, pela primeira vez. É uma verdadeira Disney para quem trabalha ou...

Data de publicação: 17/01/2018

Na semana passada estive na CES Las Vegas, pela primeira vez. É uma verdadeira Disney para quem trabalha ou se interessa por tecnologia. Os números falam por si só, 180.000 participantes, 4.000 expositores, 900 startups, mais de 1.000 palestrantes e assim vai.
Depois de percorrer os corredores da CES, a sensação é que cada elemento de nosso cotidiano estará integrado através de sensores, assistentes digitais e inteligência artificial, do carro, à TV, passando pelo filtro de água, colchão de dormir e chegando até ao vaso sanitário. Isso sem falar nos eletrônicos de sempre, que estarão cada vez mais inteligentes e integrados.
A CES também é conhecida por lançar muitos produtos no estágio de protótipo ou conceito, com muitos deles jamais chegando ao mercado. Isto nada mais é do que um darwinismo aplicado à inovação. Só que a quantidade de empresa e produtos é tão grande, que a única certeza que temos é que inovação acontecerá.
Passeando pelos pavilhões, a coisa que mais impressiona é a onipresença das empresas chinesas. Eram 1.550 expositores, um número que cresce ano a ano (eram 300 em 2010). Ouvi algumas vezes na CES que a dinâmica de mercado mudou, se antes os chineses copiavam, agora eles lideram a inovação.
No front dos assistentes digitais, a disputa se consolidou entre Alexa (Amazon) e Google Assistant. Muitos fabricantes anunciavam com destaque que os seus produtos se integram com um dos dois. A Microsoft, com o Cortana, parece ter ficado para trás. Não vi produtos com essa tecnologia. Mais sobre assistentes digitais aqui.
Aplicações para realidade virtual e aumentada continuam sendo uma aposta firme do mercado, com muitos produtos novos.
Carros autoguiados são um hotspot. Todas a grandes marcas apresentaram os seus modelos. A NVIDIA apresentou uma plataforma (NVIDIA Drive PX) para ser usada por montadoras.
A Tesla que se cuide, pois os chineses chegaram com a Byton, uma montadora de carros elétricos e autônomos de alto padrão, custando a metade do preço dos carros do Elon Musk. O modelo SUV da Byton custará US$ 45.000 e tem lançamento previsto para 2020.
O mercado de drones está em ebulição, com modelos de todos os tamanhos e com AI embutida. Os drones aquáticos marcaram presença também, com vários fornecedores. Um dos drones exibidos era dobrável e se encaixava na capa do celular. O drone era controlado por um app e poderia gravar vídeos e fotos (veja o vídeo).
Os lançamentas de TV, fones e caixas de som integrados com assistentes digitais também não decepcionaram. O estande da LG reproduzia um cânion curvo com televisores simulando paisagens de várias partes do mundo. Ela apresentou também uma TV 4K com tela flexível, que pode ser enrolada e guardada. Já a Samsung apresentou a TV The Wall, com quase 150 polegadas e tecnologia microLED.
Curiosamente, a Polaroid e a Kodak tentavam uma retomada, com vistosos estandes que misturavam o retrô ao futurista. Além dos eletrônicos, a Kodak lançou a sua própria criptomoeda, a KodakCoin. Mais sobre a Kodak na CES aqui.
Por último, e mais impressionante, o robô Forpheus, da empresa japonesa Omron. O Forpheus é capaz de disputar partidas de pingue-pongue com humanos. O objetivo do robô não é derrotar o oponente, mas treiná-lo, ajustando o jogo em tempo real ao nível de habilidade do jogador. Além das câmeras para rastrear a bola e tomar decisões em microssegundos, ele faz reconhecimento facial, podendo perceber as emoções expressadas no rosto do jogador e ajustar a partida para ser mais prazerosa. Um robô que joga pingue-pongue parece não ter uma grande utilidade prática, mas as tecnologias que permitiram a sua construção podem criar produtos incrivelmente inovadores e úteis. Esses vídeos aqui e aqui mostram o Forpheus em ação.
Conclusão
Estamos diante de um admirável mundo novo (para o bem e talvez para o mal), com IoT, inteligência artificial, conectividade ubíqua, miniaturização e muito mais. Esse mundo abre possibilidades infinitas para a transformação digital dos negócios.
A CES é uma experiência incrível e também uma overdose de informação, produtos e quilômetros andados, mas principalmente ela é uma wake up call para a necessidade de urgência na inovação nos negócios. Os chineses do seu mercado já estão por aí.
Minhas dicas bônus para quem planeja ir à CES Las Vegas

  • A CES é gigante. Ela estava espalhada por 11 locais diferentes. Eu fui somente nos dois principais (Las Vegas Convention Center e Sands Expo), que já são enormes. É impossível visitar a feira inteira em 4 dias.
  • Concentre as visitas por local e período. As distância entre os locais de exposições são grandes, mesmo as distâncias entre setores no Las Vegas Convention Center.
  • Use o calçado mais confortável que tiver. Você andará vários quilômetros por dia. Até um tênis vai bem, pois o clima da feira é bem informal.
  • Só leve uma mochila com laptop se você realmente precisar usá-lo. Andar por horas com um laptop nas costas não é a coisa mais confortável do mundo. Vai por mim, cometi esse erro.
  • Reserve com bastante antecedência a passagem aérea e o hotel. Os preços chegam a triplicar durante a CES. As datas de 2019 já foram definidas, será entre 8 e 11 de janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + dez =

Posts relacionados

  1. Sobre a Dextra

    Somos especialistas em desenvolvimento de software sob medida para negócios digitais. Pioneiros na adoção de metodologias de gestão ágil, combinamos processos de design, UX, novas tecnologias e visão de negócio, desenvolvendo soluções que criam oportunidades para nossos clientes.

  2. Categorias

Scroll to top